Blog do Adriano Roberto


A fome não pode esperar
Autor
Adriano Roberto

A fome não pode esperar

Faça sua doação



Barroso carimba os últimos momentos de Alexandre de Moraes, tudo combinado!
Autor
Adriano Roberto

Barroso carimba os últimos momentos de Alexandre de Moraes, tudo combinado!

Um ultraje destes, contra o Senado, por parte do ministro Barroso, do Supremo Tribunal Federal obrigando o presidente Rodrigo Pacheco a abrir uma CPI, pode antecipar a pauta de pedido de impeachment contra o ministro Alexandre Moraes e quem sabe até outros togados que também estão ameaçados na casa alta, inclusive pela CPI da Toga que foi protocolada antes da Covid.
 
O pedido específico do ministro Moraes encaminhado pelo jornalista, Caio Coppolla e entregue ao presidente do senado pelo mesmo senador Cajurú - foi ele também quem pediu no STF a abertura da CPI da Covid - está nas mãos do Pacheco que aguardava terminar este momento de crise sanitária que estamos vivendo, para ser pautado. Mas se o ministro Barroso intimou o senado a fazer a CPI, mesmo em plena pandemia e quando nada presencial está funcionando na casa, nada impede que o comandante do senado paute também para votação os pedidos de impeachment contra os integrantes do STF.
 
O boi de piranha
 
Aqui neste blog já tratei do momento em que o STF está vivendo e falei que vão precisar sacrificar um dos colegas togados, no caso Alexandre, para prestar contas de tantos absurdos que estão decidindo. Agora vemos o primeiro ato desta teoria que não se deve ignorar. Ontem, com esta afronta calculada a instituição do Senado, foi lançada a operação boi de piranha e o boi é Alexandre de Moraes que está sendo jogado nas mãos do Senado. Tudo combinado, nada por acaso, no teatro do poder do nosso Brasil varonil.


Projetos para coibir a violência sexual contra crianças e adolescentes avançam na Alepe
Autor
Adriano Roberto

Projetos para coibir a violência sexual contra crianças e adolescentes avançam na Alepe

Cerca de 680 casos de estupro contra crianças e adolescentes foram registrados em Pernambuco nos seis primeiros meses de 2020. Quase metade das vítimas tinha entre zero e onze anos de idade. Os dados estão nas justificativas de duas proposições aprovadas pelas Comissões de Saúde e de Cidadania da Assembleia Legislativa, na tarde desta quarta.

A primeira proposta obriga os cartórios a comunicar ao Ministério Público, à Polícia Civil e ao Conselho Tutelar, o registro dos nascimentos em que a mãe ou o pai tenha menos de quatorze anos. Trata-se de um substitutivo da Comissão de Justiça que aglutinou projetos similares da deputada Gleide Ângelo, do PSB, e Joaquim Lira, do PSD.

 Na Comissão de Saúde, o relator foi o deputado Antonio Fernando, do PSC. “Isso na realidade é um projeto muito interessante, porque se tiver algum estupro que tiver acontecido e não tiver sido comunicado, um estupro de vulnerável, tem como descobrir quando for fazer o registro da criança.”

O segundo projeto de lei obriga os estabelecimentos de saúde e os laboratórios de análise clínica a comunicar, aos órgãos de proteção da infância e juventude, os casos suspeitos ou confirmados de gravidez em menores de quatorze anos. O deputado João Paulo, do PCdoB, relator de uma das propostas no Colegiado de Cidadania, lembrou que a exploração sexual é crime, em qualquer circunstância.

“O artigo 217 do Código Penal preceitua que ter condição carnal ou praticar ato libidinoso com menor de 14 anos é tipificado como estupro de vulnerável, sendo irrelevante o eventual consentimento da vítima para a prática do ato.”

Nos dois casos, a comunicação deve ser feita sem exposição da criança ou adolescente a situações vexatórias ou constrangedoras, com sigilo dos dados perante terceiros.



Câmara aprova compra de vacinas pelo setor privado com doação na mesma quantidade ao SUS
Autor
Adriano Roberto

Câmara aprova compra de vacinas pelo setor privado com doação na mesma quantidade ao SUS

A Câmara dos Deputados concluiu nesta quarta-feira (7) a votação da proposta que permite à iniciativa privada comprar vacinas contra a Covid-19 para a imunização gratuita de seus empregados, desde que seja doada a mesma quantidade ao Sistema Único de Saúde (SUS). A proposta será enviada ao Senado.

O texto aprovado é um substitutivo da relatora, deputada Celina Leão (PP-DF), ao Projeto de Lei 948/21, do deputado Hildo Rocha (MDB-MA). Segundo o texto, as regras se aplicam às pessoas jurídicas de direito privado, individualmente ou em consórcio.

Poderão ser vacinados ainda outros trabalhadores que prestem serviços a elas, inclusive estagiários, autônomos e empregados de empresas de trabalho temporário ou de terceirizadas.

Quanto às pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos (associações ou sindicatos, por exemplo), a permissão vale para seus associados ou cooperados.

Autorização

Além de poder comprar vacinas contra a Covid-19 que tenham registro sanitário definitivo concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), as empresas e associações poderão adquirir aquelas com autorização temporária para uso emergencial ou autorização excepcional e temporária para importação e distribuição.

Podem ser compradas também vacinas sem registro ou autorização da Anvisa, contanto que tenham esse aval de qualquer autoridade sanitária estrangeira reconhecida e certificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Será permitido ainda contratar estabelecimentos de saúde que tenham autorização para importar vacinas.

Entretanto, o SUS não pode usar vacinas que não tenham sido aprovadas pela Anvisa. A agência já aprovou cinco vacinas, sendo duas para uso emergencial (Janssen e Coronavac) e as demais já com registro definitivo (AstraZeneca e Pfizer). A AstraZeneca é contada duas vezes, pois considera as doses importadas da Índia e aquelas produzidas no País.

Entre as vacinas previstas no cronograma do Ministério da Saúde, duas ainda não têm autorização para uso no Brasil: Covaxin (Índia) e Sputnik V (Rússia).

Prioridades

Outra novidade no texto de Celina Leão é que a vacinação dos empregados deve seguir os critérios de prioridade estabelecidos no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Para a relatora, “o interesse do setor privado é que a economia não pare, mas para este Parlamento o importante é a quantidade de vidas que serão salvas dessa forma”.

Segundo o autor do projeto, a proposta não pretende legalizar o “fura-fila”. “A cada pessoa vacinada, são tirados dois da fila do SUS, por isso estaremos fazendo justiça de fato”, afirmou Hildo Rocha.

Multa

A empresa ou entidade que descumprir as regras estará sujeita a multa equivalente a dez vezes o valor gasto na aquisição das vacinas, sem prejuízo das sanções administrativas e penais.

Já a aplicação da vacina deverá ocorrer em qualquer estabelecimento ou serviço de saúde que possua sala para aplicação de injetáveis autorizada pelo serviço local de vigilância sanitária.

Lei atual

Uma lei atualmente em vigor já autoriza a compra de vacinas conta a Covid-19 por empresas, mas as doses adquiridas devem ser integralmente doadas ao SUS enquanto estiver em curso a vacinação dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde.

Fonte: Agência Câmara de Notícias



Governo leiloa hoje trecho de ferrovia na Bahia
Autor
Adriano Roberto

Governo leiloa hoje trecho de ferrovia na Bahia

O governo federal vai leiloar hoje (8) um trecho da Ferrovia de Integração Oeste/Leste, entre Ilhéus e Caetité, na Bahia. Chamado de Fiol 1, o trecho de 537 quilômetros de extensão entre as duas cidades poderá transportar mais de 50 milhões de toneladas de carga em 2035, conforme expectativas do governo.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, a concessão vai destravar o projeto, algo considerado fundamental para transformar a logística no estado. Além disso, contribuirá com a meta de ampliar a participação ferroviária na matriz de transportes do Brasil.

O vencedor do certame ficará responsável pela finalização do empreendimento e operação do trecho, em uma concessão que vai durar por 35 anos, totalizando R$ 3,3 bilhões de investimentos. Desse total, R$ 1,6 bilhão serão utilizados para a conclusão das obras, que estão com 80% de execução. Nas contas do governo federal, a concessão da Fiol vai permitir a criação de 55 mil empregos diretos, indiretos e efeito-renda ao longo da concessão.

A expectativa é a de que o T aerorecho 1 (Ilhéus-Caetité) comece a operar em 2025, já transportando, segundo estudos, mais de 18 milhões de toneladas de carga, entre grãos e o minério de ferro produzido na região de Caetité. O minério de ferro compõe a maior parte da carga a ser transportada no trecho, mas também serão transportados alimentos processados, cimento, combustíveis, soja em grão, farelo de soja, manufaturados, petroquímicos e outros minerais.

Outros trechos

O governo também pretende projetar a concessão de outros dois trechos: a Fiol 2, entre Caetité (BA) e Barreiras (BA), com obras em andamento, e a Fiol 3, de Barreiras (BA) a Figueirópolis (TO), que aguarda licença de instalação por parte do Ibama. 

Será, de acordo com o ministério, um corredor de escoamento que terá 1.527 quilômetros de trilhos, ligando o porto de Ilhéus, no litoral baiano, ao município de Figueirópolis (TO), ponto em que a Fiol se conectará com a Ferrovia Norte-Sul e o restante do país.



Autor
Adriano Roberto

"Não vou colocar o meu na reta", diz Bolsonaro a empresários sobre Orçamento

Em jantar com empresários em São Paulo, na 4ª feira (7.abr.2021), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que irá respeitar o teto de gastos e a responsabilidade fiscal quando tiver de sancionar o Orçamento de 2021. “Não vou colocar o meu na reta”, afirmou, com o ministro Paulo Guedes (Economia) à mesa.

O Poder360 conversou reservadamente com 4 empresários que estiveram no encontro. Os gestores disseram achar que Bolsonaro quis dar um recado para fortalecer Guedes.

No mesmo dia do encontro, o ministro da Economia foi alvo de ataques do Centrão e houve rumores sobre sua iminente saída do governo. No jantar, estava junto com o presidente. Num dado momento, Flávio Rocha, dono da Riachuelo, falou que Bolsonaro tinha ao seu lado “o melhor general para a economia”, citando Paulo Guedes. Todos os presentes aplaudiram.

PANDEMIA E VACINAS

Todos os presentes na reunião concordaram que a prioridade neste momento do país é acelerar a aplicação de vacinas. Dizem achar que houve um mal-entendido sobre a lei que permite que empresas privadas comprem o imunizante. Os empresários pediram ajuda do governo para esclarecer como será o processo.

Em relação às políticas de isolamento social, coube ao empresário Jose Isaac Peres, dono da rede de shoppings Multiplan, fazer um discurso enfático e alinhado com o que defende Bolsonaro. Peres disse que não tem cabimento falar em lockdown, que cada uma das mais de 5.000 cidades do país tem realidades distintas e que o necessário, na avaliação dele, é o distanciamento social.

O presidente criticou governadores e chegou a usar o termo “vagabundos”. O tucano João Doria, governador de São Paulo, foi um de seus alvos durante a reunião.

QUEM FOI AO JANTAR

O Poder360 apurou a seguinte lista. Pelo menos um dos convidados não apareceu: Johnny Saad (Grupo Bandeirantes), que mandou avisar que estava com tosse e preferia não ir. Eis os demais que participaram:

André Esteves (BTG);
Alberto Leite (FS Security);
Alberto Saraiva (Habib’s);
Candido Pinheiro (Hapvida);
Carlos Sanchez (EMS);
Claudio Lottenberg (Hospital Albert Einstein);
David Safra (Banco Safra);
Flavio Rocha (Riachuelo);
Luiz Carlos Trabuco (Bradesco);
João Camargo (Grupo Alpha de Comunicação);
Jose Isaac Peres (Multiplan);
José Roberto Maciel (SBT);
Paulo Skaf (Fiesp);
Ricardo Faria (Granja Faria);
Rubens Ometto (Cosan);
Rubens Menin (MRV, CNN e Banco Inter);
Tutinha Carvalho (Jovem Pan);
Washington Cinel (Gocil).

O jantar foi na casa de Washington Cinel, dono da empresa de segurança Gocil. A residência fica na Rua Costa Rica, no Jardim América, em frente à casa do ex-deputado Paulo Maluf.

Eis o grupo levado pelo presidente:

Augusto Heleno (Segurança Institucional);
Daniel Freitas (deputado, PSL-SC);
Eduardo Bolsonaro (deputado, SP);
Fábio Faria (Comunicações);
Marcelo Queiroga (Saúde);
Roberto Campos Neto (Banco Central);
Onyx Lorenzoni (Secretaria Geral);
Paulo Guedes (Economia);
Ricardo Salles (Meio Ambiente);
Ricardo Barros (líder na Câmara)
Tarcísio de Freitas (Infraestrutura).

COLETIVA NA RUA

Depois da reunião, os ministros Fábio Faria (Comunicações), Paulo Guedes (Economia), Marcelo Queiroga (Saúde) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) deram uma entrevista coletiva improvisada em frente à casa do anfitrião.

O chefe da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que um eventual lockdown nacional “não faz sentido no Brasil porque a própria população não adere a essas práticas”. O ministro defendeu uma união nacional “para conseguirmos a vacina para imunizar a população brasileira”. Indagado sobre a suspensão do envase de imunizantes pelo Butantan por falta de insumos, Queiroga disse esperar que o instituto tenha a capacidade de produção restabelecida.

O médico também acenou à iniciativa privada, afirmando que busca alternativas para viabilizar também a participação dos empresários na aquisição de vacinas: “Não para desviar os principais básicos do SUS, mas para se somar a ele e assim fortalecemos a nossa campanha de vacinação”. 

Paulo Guedes disse que “a síntese do encontro” é baseada nos temas da vacinação em massa e no avanço nas reformas estruturais. Fábio Faria afirmou que todos presentes no jantar estão “satisfeitos” com o governo e afirmou que o Brasil é o 5º país que mais está vacinando. “Atingimos a meta de 1 milhão por dia. Precisamos de união”, disse.

Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) afirmou que conversa entre governo e empresários foi em tom amistoso. Questionado sobre a carta assinada por mais de 500 empresários, economistas e banqueiros cobrando ações do governo na pandemia, o ministro afirmou que o documento não entrou na discussão. Disse que o diálogo foi uma “reunião de aliança e compromisso com o futuro” e que o Brasil “está engrenando” na produção de vacinas.



Lançado o programa Professor Amigo do Trânsito 2021
Autor
Adriano Roberto

Lançado o programa Professor Amigo do Trânsito 2021

Com a participação de representantes de 54 cidades pernambucanas, a Escola Pública de Trânsito do Detran-PE lançou, de forma on-line, na terça-feira (6), o Professor Amigo do Trânsito 2021 (PAT). O programa consiste na formação de uma rede de colaboração nas escolas públicas municipais para estimular o trabalho dos professores que em sala de aula do ensino fundamental, além de promover ações de formação e compartilhar conclusões e discussões que desenvolvam educação para o trânsito no Estado.

Considerado o maior projeto de educação para o trânsito da história de Pernambuco, o PAT já alcançou mais de 680 mil alunos das redes públicas municipais em cerca de 80 cidades pernambucanas. Ao longo do ano outros três encontros serão realizados com o objetivo de reflexão e aprimoramento do tema.

O diretor geral do Detran-PE, Sebastião Marinho, considera que o programa é fundamental, por ser “a educação para o trânsito uma prioridade para todos os órgãos que integram o Sistema Nacional de Trânsito”. Marinho representou o diretor-presidente do órgão, Roberto Fontelles.

Já a coordenadora de Educação para o Trânsito do Detran-PE, Jô Lima, aproveitou a ocasião para dar as boas-vindas aos indicados pelas prefeituras e frisou que conta com cada um para que o PAT humanize o trânsito das cidades pernambucanas. A rede formada pelos indicados das prefeituras atua para integrar os diversos atores que possibilitam gerar um movimento que leve educação para o trânsito a todo o ensino fundamental.

Para o coordenador do programa Educação Viária é Vital, da Fundación Mapfre, Renato Ribeiro, que atua junto com a Escola Pública de Trânsito desde 2012, “devido à parceria, Pernambuco tem a maior representatividade dentro do programa no Brasil, logo após São Paulo.

No final do ano, cada indicado fica responsável por enviar um relatório dos trabalhos desenvolvidos em sua rede. Tal relatório vale como inscrição para um concurso que vai premiar os melhores resultados, como estímulo e reconhecimento pela atuação. Para o desenvolvimento do PAT, a Coordenadoria de Educação para o Trânsito do Detran-PE disponibiliza apoio aos professores, como capacitações e materiais didáticos. 



Muón: cientistas acham forte evidência de 5ª força da natureza
Autor
Adriano Roberto

Muón: cientistas acham forte evidência de 5ª força da natureza

Um grupo de mais de 200 cientistas divulgou, nessa semana, uma descoberta que pode alterar os rumos da física contemporânea e tornar obsoleto o Modelo Padrão, considerado o mais adequado até então para a descrição das forças fundamentais exercidas pela matéria. Em tese, gravidade, eletromagnetismo e forças forte e fraca se manifestariam da mesma maneira em nível subatômico, mas a equipe por trás do achado se deparou com evidências sólidas de que múons – semelhantes a elétrons – são um pouco mais magnéticos que o previsto. Por sua vez, a pequena anomalia, de 2,5 partes em 1 bilhão, sugere a existência de uma quinta força ou de uma nova partícula de Deus, inédita para o conhecimento humano.

Há décadas, pesquisadores medem tal propriedade da partícula em questão, que é mais pesada e instável que sua "irmã" mais famosa e se comporta como uma pequena barra magnética. Para isso, colocam múons em um campo magnético horizontal, que os faz girar como pequenas agulhas de uma bússola, e a frequência do movimento revela dados importantes, além de possibilitar a investigação de elementos "escondidos", mesmo daqueles grandes demais para surgirem do Grande Colisor de Hádrons.

Ao contrário de outros, o múon se encaixa na incerteza quântica, sendo descrito como "virtual" por entrar e sair da existência. Situando-se, então, entre partículas e antipartículas, é afetado, também, por propriedades daquilo que não somos capazes de ver. Ainda assim, segundo a mecânica quântica e a Teoria da Relatividade Especial de Albert Einstein, ele possuiria um magnetismo básico, que é aumentado, conforme apontam pesquisas anteriores, em 0,1% caso partículas previstas no Modelo Padrão flutuem sobre ele, quaisquer que sejam.

Dito isso, se algo foge da equação, é preciso reformulá-la. Aí é que entra a novidade, capaz de exigir um novo olhar sobre toda e qualquer certeza.

 

Múon apresenta magnetismo mais forte que o previsto por teoria vigente.

Múon apresenta magnetismo mais forte que o previsto por teoria vigente

 

Progresso constante

Já em 2004, pesquisadores, durante o experimento Muon g-2, no Laboratório Nacional de Brookhaven (EUA), haviam relatado a discrepância do magnetismo do múon em relação ao considerado pelo Modelo Padrão. Entretanto, a metodologia atingiu apenas metade do padrão-ouro da classificação dos resultados de testes físicos, 2,5 – levantando, de todo modo, dúvidas consistentes e incentivando novos estudos. Em 2013, decidiram levar o método para o Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab), e dados obtidos da tentativa chegaram a 3,7 em 2018, um avanço e tanto.

Desta vez, após reformular técnicas, além de obter informações consistentes com as encontradas em sua trajetória, reforçando que não foram um acaso estatístico nem produto de alguma falha não detectada, a equipe chegou à impressionante taxa de 4,2. Chris Polly, físico do Fermilab, explica como se sentiu por não ter visto tanto esforço prévio descartado. "Como eu era um estudante de pós-graduação no experimento de Brookhaven, certamente foi uma sensação de alívio avassaladora para mim."

Em suma, prótons, em aceleradores como o do Fermilab, se chocam e produzem outros, a exemplo do múon e do antimúon, e instrumentos precisos analisam o comportamento de tudo. Se os fragmentos apresentassem as mesmas propriedades, confirmando o que diz o Modelo Padrão, haveria muita decepção. "Desde a década de 1970, procuramos uma falha [na teoria vigente]", diz Alexey Petrov, teórico da Wayne State University (EUA). "Pode ser que a tenhamos encontrado", complementa.
 

Instalação do Femilab na qual as pesquisas foram realizadas.

Instalação do Femilab na qual as pesquisas foram realizadas

 

O que vem por aí

A confirmação de tanta dedicação chegou em 25 de fevereiro, durante uma reunião de 170 pessoas pelo Zoom, devido à covid-19. Para evitar a manipulação, mesmo que inconsciente, de dados, o time contava com duas pessoas que não participam dos procedimentos, responsáveis pela análise "fria" das informações e munidas de um código essencial para finalização de cálculos de dois experimentos conduzidos independentemente, revelados apenas no momento-chave, com a abertura de envelopes que carregavam a "senha". "Definitivamente, havia uma atmosfera de extrema tensão", destaca Hannah Binney, estudante de pós-graduação e membro da equipe da Universidade de Washington (EUA).

Por fim, a recompensa. "Quando vimos o número na tela, tivemos uma sensação de grande alívio, entusiasmo, orgulho e alegria. Tínhamos que religar o microfone para podermos gritar", conta Sudeshna Ganguly, cientista associada do Fermilab. "Até agora, analisamos apenas 6% dos dados e, quando combinarmos os resultados de todas as execuções, obteremos uma medição ainda melhor. É muito empolgante fazer parte disso."

Agora, cabe aos profissionais a continuidade das pesquisas, já que a discrepância com a qual se depararam ainda não possui explicação clara (e a redefinição do Modelo Padrão – ou mesmo a troca por um outro – demanda dedicação redobrada).

"A corrida agora está realmente aberta para fazermos com que um desses experimentos realmente consiga a prova de que isso é realmente algo novo – o que exigirá mais dados e mais medições. Com sorte, mostraremos evidências de que esses efeitos são reais", finaliza Mitesh Patel, do Imperial College London, instituição britânica. Fonte TecMundo.



Leilão de 22 aeroportos está previsto para hoje
Autor
Adriano Roberto

Leilão de 22 aeroportos está previsto para hoje

Com a previsão de resultar em investimentos de R$ 10 bilhões, o governo promoverá nesta semana o leilão de 22 aeroportos, uma ferrovia e cinco terminais portuários. Chamada pelo governo de Infra Week, a semana de leilões começa hoje (7), com a concessão dos terminais aéreos à iniciativa privada por 30 anos.

Divididos em três blocos regionais, os aeroportos serão leiloados a partir das 10h na sede da B3, em São Paulo. Os lances mínimos serão de R$ 130,2 milhões pelo Bloco Sul, R$ 47,8 milhões pelo Bloco Norte e R$ 8,1 milhões pelo Bloco Central.

Vencerão os consórcios que oferecerem o maior ágio sobre o preço mínimo de cada bloco. Os valores – lance mínimo mais ágio – serão pagos imediatamente após o leilão. A partir do quinto ano de contrato, os consórcios terão de pagar ao governo um percentual da receita obtida a cada ano, até o fim do contrato.

Integram o Bloco Sul os aeroportos de Curitiba, Foz do Iguaçu (PR), Londrina (PR), Navegantes (SC), Joinville (SC), Bacacheri (PR), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS). O Bloco Central é composto pelos aeroportos de Goiânia, São Luís, Imperatriz (MA), Teresina, Palmas e Petrolina (PE). Fazem parte do Bloco Norte os aeroportos de Manaus, Tabatinga (AM), Tefé (AM), Porto Velho, Rio Branco, Cruzeiro do Sul (AC), e Boa Vista.

Os 22 aeroportos a serem leiloados correspondem a 11% do tráfego aéreo nacional de passageiros, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O governo estima investimentos de R$ 6,1 bilhões nos aeroportos concedidos à iniciativa privada, dos quais R$ 2,8 bilhões no Bloco Sul, R$ 1,8 bilhão no Bloco Central e R$ 1,4 bilhão no Bloco Norte.

Outros leilões

Já o terminal do porto de Pelotas (RS) é voltado para carga em geral, em especial toras de madeira, contribuindo para a cadeia logística da produção de celulose, e tem uma área de cerca de 23 mil m².

Segundo o Ministério da Infraestrutura, as concessões dos terminais portuários devem resultar em investimentos de R$ 600 milhões pela iniciativa privada em modernização e melhorias. Vencerá a disputa quem oferecer o maior valor de outorga.



Aprovado texto-base de projeto que permite empresas comprarem vacinas
Autor
Adriano Roberto

Aprovado texto-base de projeto que permite empresas comprarem vacinas

A Câmara dos Deputados aprovou, no fim da noite dessa terça-feira (6), o texto-base da proposta que permite à iniciativa privada comprar vacinas contra a covid-19 para a imunização gratuita de seus empregados, desde que doe a mesma quantidade ao Sistema Único de Saúde (SUS). Foram 317 votos a favor da proposta e 120 contrários.

Vários destaques que ainda poderão mudar o texto serão votados nesta quarta-feira (7), em sessão plenária prevista para começar às 13h55. Com a conclusão da votação, o projeto seguirá para análise e votação do Senado.

O texto-base aprovado é um substitutivo da relatora, deputada Celina Leão (PP-DF), que faz alterações no Projeto de Lei 948/21, do deputado Hildo Rocha (MDB-MA). A aquisição das vacinas, segundo o texto, poderá ser feita pelas pessoas jurídicas de direito privado, individualmente ou em consórcio.

*Com informações da Agência Câmara



Jornalista da Folha de SP relata a volta de Joaquim Barbosa para tirar Bolsonaro
Autor
Adriano Roberto

Jornalista da Folha de SP relata a volta de Joaquim Barbosa para tirar Bolsonaro

 Carolina Brígido

Aposentado do STF (Supremo Tribunal Federal) em 2014, Joaquim Barbosa hoje está mais imerso no mundo político do que no jurídico. Em 2018, filiou-se ao PSB e cogitou sair candidato a presidência da República. Desistiu. Agora, articula nos bastidores seu apoio para a disputa de 2022 com uma prioridade em mente: tirar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) do poder.

A tônica das conversas de Barbosa tem sido a crítica ferrenha ao governo atual. Nas eleições, a intenção do ex-ministro é dar o peso de seu nome à esquerda para derrubar Bolsonaro nas urnas. Para atingir esse propósito, não descarta apoiar eventual candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mesmo duvidando que o petista saia candidato. Na avaliação de Barbosa, Lula pode não querer sair candidato em 2022.

A interlocutores, Barbosa tem dito que não quer se candidatar. Mas essa possibilidade ainda não foi totalmente descartada. Uma decisão, porém, já foi tomada: se não for cabeça de chapa, não será vice de ninguém.

O eventual apoio de Barbosa a Lula seria irônico. Afinal, em 2012, como relator do mensalão, o ministro votou pela condenação dos principais agentes políticos do governo do petista no maior escândalo de corrupção do país conhecido até então. Ainda assim, Barbosa e Lula guardam semelhanças na biografia: ambos têm origem humilde e ganharam notoriedade nacional.

Barbosa e Lula nunca foram amigos. O petista queria nomear o primeiro negro para o STF. Frei Betto apontou Barbosa como a pessoa perfeita para o cargo. Lula abraçou a ideia. Quando sentou-se à cadeira da Corte, o ministro mostrou independência ao votar pela condenação de petistas - inclusive do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

Na política, Barbosa poderia ter alçado voos mais altos em 2018 caso tivesse entrado na disputa. Em abril daquele ano, oscilava entre 8% e 10% nas pesquisas de intenção de votos, em terceiro ou quarto lugar da disputa. Mas decidiu abortar os planos pelo excesso de exposição que isso traria para sua vida. Os motivos pessoais e familiares também pesam na escolha de sair ou não candidato em 2022.

Em 2018, Barbosa ainda era popular, com o nome vinculado ao combate à corrupção. Em 2022, não se sabe se a fama permanecerá na memória nacional. Ou seja: o peso político do apoio do ex-ministro ainda não é mensurável.

Nos últimos anos, o mensalão virou passado remoto. O Brasil assistiu ao auge e desmoronamento da Lava Jato. Outro herói nacional também alçou apogeu e amargou queda: o ex-juiz Sergio Moro - que, até agora, não se sabe se terá a foto estampada nas urnas em 2022. Seria uma campanha incomum se os dois juízes estiverem em campo para tentar derrubar Bolsonaro. Da FolhaPress.



Candidato à presidência da UVP, Léo do AR se encontra com os presidentes das Câmaras de Flores e Tabira
Autor
Adriano Roberto

Candidato à presidência da UVP, Léo do AR se encontra com os presidentes das Câmaras de Flores e Tabira

O candidato à presidência da União dos Vereadores de Pernambuco (UVP) e presidente da Câmara de vereadores de Gravatá Léo do AR (PSDB) se reuniu nesta segunda-feira (6) com o presidente da Câmara Municipal de Flores, Luiz Heleno e o presidente da Câmara Municipal de Tabira Djalma das Almofadas.

No encontro, foi discutida a importância na prevenção contra à covid-19 no município de Flores e também foi oficializado o apoio de 10 dos 11 vereadores de Flores a chapa 1 nas eleições da UVP.

“É muito importante o apoio da Câmara Municipal da cidade de Flores, em nome do excelentíssimo presidente Luiz Heleno. Quero agradecer a confiança e a oportunidade de representar a todos e juntos conseguiremos conquistar a união necessária para seguirmos na melhoria da vida da população”, disse.

Uma das suas propostas, Léo do AR quer promover uma vez por ano a Marcha dos Vereadores de Pernambuco, que seria realizada pelo menos uma vez ao ano, não necessitando os parlamentares pernambucanos se deslocarem para Brasília (DF) e participar de evento semelhante.

Vários políticos já demonstraram apoio a Léo, como os deputados federais Eduardo da Fonte (PP) e Sebastião Oliveira (Avante).

Léo atualmente compõe a chapa 1, concorrerá com outras três chapas e é o favorito para vencer o pleito.