Blog do Adriano Roberto


Câmara Municipal de Triunfo repudia estradas esburacadas na região
Autor
Adriano Roberto

Câmara Municipal de Triunfo repudia estradas esburacadas na região

Estamos participando da reunião ordinária na Câmara Municipal de Triunfo. Acompanhe o áudio através do nosso blog clicando no player acima, no topo da página. O assunto principal é uma ação de repúdio contra o péssimo estado das estradas na região, que no último domingo causaram a morte de uma pessoa.



Ministra Damares Alves pede a Bolsonaro para deixar o governo
Autor
Adriano Roberto

Ministra Damares Alves pede a Bolsonaro para deixar o governo

Por Laryssa Borges da Veja - Há alguns dias, ela se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro para discutir seu futuro. Depois de fazer um balanço das atividades do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares comunicou que vai deixar o cargo. Alega que está cansada e precisa cuidar da saúde, que anda debilitada.

Desde que assumiu o comando da Pasta, há quatro meses, a ministra enfrenta uma rotina estressante — mas com um ingrediente incomum: Damares recebe ameaças de morte. Com isso, ela abandonou sua residência, em Brasília, e passou a morar num hotel, cujo endereço é mantido em segredo.

Por recomendação do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), Damares também não costuma antecipar a agenda, circula pela cidade escoltada e um segurança fica postado na entrada de sua sala durante todo o expediente.



Vereadores de Camaragibe aprovam as contas do ex-prefeito Jorge Alexandre
Autor
Adriano Roberto

Vereadores de Camaragibe aprovam as contas do ex-prefeito Jorge Alexandre

Na última terça-feira (30), seguindo o parecer do Tribunal de Conta do Estado - TCE - a  maioria esmagadora da Câmara de Vereadores de Camaragibe  aprovou as contas da gestão do ex-prefeito Jorge Alexandre, referentes ao exercício de 2016. Onze dos 13 parlamentares seguiram a recomendação do órgão de fiscalização.

“Recebi com muita tranquilidade o resultado da aprovação das contas relacionadas à minha gestão. Orgulha-me dizer que até hoje, eu sou o único prefeito de Camaragibe que obteve todas as contas aprovadas pelo TCE. Aproveito a oportunidade para ressaltar o respeitado trabalho de fiscalização que é realizado por este órgão”, ressaltou Jorge Alexandre.

“Tenho a consciência de que sempre tratei com muito zelo e responsabilidade o erário publico. Essa conduta pautou, pauta e sempre pautará as minhas ações”, concluiu o ex-prefeito.



Prefeito de Bezerros renuncia o mandato; vice assume
Autor
Adriano Roberto

Prefeito de Bezerros renuncia o mandato; vice assume

Do blog do Elielson - Foi confirmada há poucos minutos a informação do afastamento definitivo do prefeito eleito de Bezerros, Severino Otávio (Branquinho). O afastamento aconteceu na manhã desta quinta-feira (2) e pegou muitos moradores de surpresa.

O prefeito se reuniu com todos os secretários e anunciou sua decisão. Com o afastamento definitivo, o vice-prefeito, Breno Borba, assume o comando da gestão até dezembro do próximo ano.

O gestor recebeu convite para assumir a presidência da Agência Reguladora de Pernambuco (ARPE). 



Centrão busca desidratar nova Previdência e impedir reeleição de Bolsonaro
Autor
Adriano Roberto

Centrão busca desidratar nova Previdência e impedir reeleição de Bolsonaro

Em discurso, Paulinho da Força diz que Centrão vai enxugar a PEC da Previdência para não reeleger Jair Bolsonaro em 2022. Integrantes do governo criticam opinião, mas polêmica mostra que deputados exigem mais diálogo por parte do Palácio do Planalto.

As manifestações do Dia do Trabalho viraram ato político contra a reforma da Previdência e o governo. Os ataques não foram disparados apenas pela oposição, em palanques montados pelas centrais sindicais.

O presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), ligado à Força Sindical, externou uma articulação interna do Centrão de enxugar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019 para não reeleger o presidente Jair Bolsonaro.

O diálogo sobre a desidratação da reforma da Previdência sob a ótica política de confronto ao governo era algo tratado na alta cúpula do Centrão, nos bastidores. Os caciques não gostam da articulação adotada pelo governo. Para as lideranças, é fechada, de pouco diálogo.

As principais críticas recaem sobre as dificuldades em emplacar indicados políticos em postos de segundo e terceiro escalões nas administrações públicas federais direta e indireta.

O Solidariedade é um dos partidos que compõem o bloco político que dá as cartas e comanda as principais votações na Câmara, como a da reforma da Previdência, que se encontra em tramitação na Comissão Especial.

O Centrão é formado, também, pelo PP, PR, MDB, PSD, DEM, PTB e Podemos. Ainda orbitam em torno desses oito partidos o PSDB e metade do PSL — partido de Bolsonaro — ligado ao líder da legenda, Delegado Waldir (GO).

A aprovação da reforma no molde que o governo encaminhou ao Congresso garantiria uma economia de R$ 1,2 trilhão.

É esse ajuste que Bolsonaro pretende garantir, embora tenha demonstrado flexibilidade ao admitir um piso mínimo de R$ 800 bilhões. Ainda assim, é um limite acima do que o Centrão discute aprovar.

Para Paulinho, uma economia nesse patamar garantiria uma vitória nas eleições de 2022. “Nos últimos três anos de mandato, teria R$ 240 bilhões para gastar, ou seja, garantir a reeleição”, declarou ontem, em São Paulo.

O texto ideal, na visão de Paulinho, é um que assegure uma economia máxima em torno de R$ 500 bilhões. “Com esse discurso, tenho certeza de que a gente traz todo mundo do Centrão, porque ninguém quer a reeleição do Bolsonaro”, discursou.

As declarações de Paulinho não repercutiram bem nem no governo nem no Centrão. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse não acreditar que a opinião do deputado seja de todo o grupo.

“Vou trabalhar para uma economia de R$ 1 trilhão. Não estou preocupado com a eleição de 2022”, afirmou ao Estadão/Broadcast. Líder do PSD — outro integrante do Centrão —, André de Paula também atacou a posição do ex-sindicalista. “Para mim, é uma surpresa.

Porque nunca tinha visto a questão por esse prisma, colocando o que não tem nenhuma importância à frente do que é um claro interesse nacional”, disse ao site O Antagonista. Ao mesmo portal, o líder do PP, Arthur Lira, foi além: “Doidice dele, loucura. Nunca tratamos disso”.

Se integrantes do Centrão criticaram Paulinho da Força, o governo bateu com mais força ainda. O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, espera que a notícia não “seja verdade”.

“Esse é o momento de todos pensarem no Brasil e nas próximas gerações, e menos nas próximas eleições”, sustentou, em mensagem publicada no Twitter.

Na mesma rede social, publicou um vídeo de deputados do Novo em defesa ao texto, parabenizando os parlamentares que “abraçam e entendem o que é prioridade para o país.” “Não estamos brincando de mera definição de quem vai ganhar e quem vai perder.

É o futuro do país. Todos serão impactados com isso”, ponderou um interlocutor de Bolsonaro. “Tirar pontos da proposta só para enfraquecer ou ter um ganho menor para não dar louros para o governo é uma coisa que mostra exatamente como é fundamental ocorrer uma reforma política no Congresso”, analisou outro.

Críticas

Apesar do mal-estar, o Planalto prega a continuidade de uma articulação com muito diálogo. Vice-líder do governo no Congresso, a deputada Bia Kicis (PSL-DF) destaca que todos os parlamentares são convidados a se sentirem parte do governo, mas sem apelar para o “toma lá dá cá”. “Vamos conversar e trazer para perto e permitir que participem do governo aliados e pessoas que queiram ajudar. Mas sem esse espírito de porco, de querer atrapalhar o Brasil para se dar bem”, alertou.

O impacto das declarações de Paulinho terão um efeito reverso ao que pretende o parlamentar, prevê Kicis. “Acho que vai ficar muito feio para eles perante a população. Com certeza, as pessoas entenderam que é necessária (a reforma) e (a economia) só vai se recuperar se tivermos uma reforma robusta.

Em vez de ficarem preocupados com o sucesso do Brasil, estão de olho nas próximas eleições. É um caminho muito ruim para quem quer se reeleger”, avaliou.

Presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Política, o deputado Luiz Philippe de Orléans e Bragança (PSL-SP) avalia que o posicionamento de Paulinho reforça a necessidade de discutir a aprovação de um mecanismo de “recall de mandato”, utilizado nos Estados Unidos para convocar novas eleições para um cargo em questão por abaixo-assinado feito por eleitores. “No caso do Paulinho, isso não seria possível em um sistema proporcional. Mas a expansão do mecanismo para o futuro é algo que vamos discutir”, destacou.

O deputado antecipou ao Correio que a frente elabora um projeto de implementação do voto distrital a ser apresentado até junho. O objetivo é implementar um sistema em que vereadores e deputados estaduais sejam eleitos individualmente nos limites geográficos de um distrito por maioria de votos. A ideia é que o modelo seja híbrido e a execução a nível federal ocorra em outra fase. “Essa conversa de modelo federal fica para segundo plano. Vamos, gradualmente, mudar o sistema”, explicou.

CNBB faz críticas às mudanças

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) criticou o projeto de reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro (PSL) por “desconstitucionalizar” regras atuais, durante a abertura da 57ª Assembleia-Geral do órgão, ontem, em Aparecida, interior de São Paulo. A mensagem, divulgada durante a missa de abertura, foi reforçada pelo presidente da CNBB, dom Sérgio da Rocha, durante a homilia. “Os trabalhadores são os mais fragilizados na sociedade, os que sofrem com o desemprego e com a falta de condições dignas de trabalho”, disse.

A conferência também abordou a reforma trabalhista. “A flexibilização de direitos dos trabalhadores, institucionalizada pela lei 13.467 de 2017, como solução para superar a crise, mostrou-se ineficiente. Além de suscitar questionamentos éticos, o desemprego aumentou e já são mais de 13 milhões de desempregados”.



O fim do Bolivarianismo
Autor
Adriano Roberto

O fim do Bolivarianismo

Por Marcelo Cavalcanti

O ditador títere, Nicolas Maduro, mostra-se claudicante, pois, depende de forças que não controla, nem tem competência para articular em prol do exercício do próprio poder. Apartado, até,  das ideias de Simon Bolívar, reina sobre um estado sovietizado e manipulado por potências estrangeiras e degradado ao nível da fome endêmica, da profunda crise estrutural e financeira, exibindo a débâcle do que,  um dia, foi uma nação próspera e bastante saudável. 

Hoje,  a Venezuela é um exemplo de "não-país" . Uma vergonha humilhante para o que se autointitulou de "bolivariano". 

O legado de Bolivar, temos reafirmado, não é democrático, nunca foi. O líder libertador era caudilho e desconfiava abertamente das virtudes de uma república representativa. Seu mérito foi varrer o domínio espanhol de parte da América, sem contudo, estabelecer um projeto nacional duradouro.

Bem, olhando o que sobrou da Venezuela, hoje, observamos uma nação estiolada e entregue aos apetites dos russos, dos cubanos e dos chineses. 

O tal Maduro está apodrecido. Não tem estofo de estadista e permanece (até quando?...) como um tiranete ridículo, que brinca de governar e massacra, impenitente, seus compatriotas. Não passa de um régulo travestido com roupas de um caudilhismo ultrapassado, fazendo uma impostura grotesca.

Não se sabe, até quando, os generais venezuelanos suportarão este opróbrio. Sabe-se que, alguns deles, são dublês de narcotraficantes e outras torpezas. 

Isso, essa miséria moral instalada no aparelho de estado, dificulta o crescimento de uma insurgência interna auto-sustentável, com boas chances de vitória.

Brados histriônicos de um déspota caricato são risíveis. De modo assemelhado, a oposição não deve se arvorar em chefe de um "exército de brancaleone". É frustrante. 

A solução pela intervenção militar externa é quase... inevitável. 

Entrementes, segue o calvário do povo venezuelano.

Marcelo Cavalcanti é jornalista e dirigente da Casa de Apoio Acolher com Afeto



Eduardo Cunha fecha delação premiada e faz tremer MDB, PT e o Centrão
Autor
Adriano Roberto

Eduardo Cunha fecha delação premiada e faz tremer MDB, PT e o Centrão

Do Antagonista - Quem conhece a rotina dos delatores da Lava Jato do Paraná descarta a tese de que Eduardo Cunha estaria negociando um acordo de colaboração premiada.

Cunha ainda está no Complexo Médico Penal, onde é inviável a realização de reuniões com advogados e autoridades.

Seus ex-parceiros de crime podem começar a se preocupar, caso ele seja transferido para a carceragem da Polícia Federal.



Guaidó afirma ter apoio de militares para derrubar Maduro
Autor
Adriano Roberto

Guaidó afirma ter apoio de militares para derrubar Maduro

Em mensagem de vídeo acompanhado de vários militares dissidentes, o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou nesta terça-feira (30) que militares deram "finalmente e de vez o passo" para acompanhá-lo e conseguir "o fim definitivo da usurpação" do governo de Nicolás Maduro. Enquanto isso, o governo chavista disse estar "enfrentando e desativando" um plano de golpe de "militares traidores".

"Hoje, valentes soldados, valentes patriotas, valentes homens apegados à Constituição acudiram ao nosso chamado", disse Guaidó num vídeo de três minutos divulgado no Twitter, aparentemente gravado pouco antes do amanhecer na base militar La Carlota, no leste Caracas. "O momento é agora. A cessação definitiva da usurpação começou hoje."

"São muitos os militares. A família militar de uma vez [por todas] deu o passo. A todos aqueles que estão nos ouvindo: é o momento, o momento é agora, não só de calma, mas de coragem e sanidade para que chegue a sanidade à Venezuela. Deus os abençoe, seguimos adiante. Vamos recuperar a democracia e a liberdade na Venezuela", disse o líder da oposição.

"As Forças Armadas tomaram a decisão correta e podem contar com o apoio do povo da Venezuela, o apoio da nossa Constituição, a garantia de que estão do lado certo da história. Hoje, como presidente da Venezuela, como legítimo comandante em chefe das Forças Armadas, convoco todos os soldados, toda família militar, a nos acompanhar nesta façanha como sempre fizemos, no marco da Constituição, no marco da luta não violenta", afirmou Guaidó.

Na mensagem, Guaidó convocou às ruas todos os venezuelanos que se comprometeram nas últimas semanas a se manifestar para exigir a saída de Maduro.

"Povo da Venezuela, é necessário que todos saiamos às ruas, apoiemos a democracia e recuperemos nossa liberdade. Organizados e unidos, devemos nos deslocar às principais instalações militares. Povo de Caracas, todo mundo para La Carlota", convocou Guaidó.

Com informações da Agência Brasil



Na contra-mão da nova política, Paulo Câmara vai enfraquecendo na ALEPE
Autor
Adriano Roberto

Na contra-mão da nova política, Paulo Câmara vai enfraquecendo na ALEPE

Nesta terça-feira (30) a deputada Clarissa Tércio (PSC) subiu à Tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco anunciar a realização de audiência pública para tratar do desabastecimento nas Farmácias do Estado. Fruto de requerimento do deputado William Brigido (PRB), o debate foi aprovado na Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular. A parlamentar lembrou que um pedido para discutir o tema já havia sido alvo de requerimento apresentado pela colega parlamentar Priscila Krause (DEM) e rejeitado em Plenário na reunião do dia 24/04. “Dessa vez não teve jeito.

Votamos, vencemos e a audiência foi aprovada na Comissão de Cidadania e será realizada dia 15 de maio. Agora o governo vai ter que se explicar também aqui. Fazemos questão de configurar a nobre deputada Priscila como co-autora dessa solicitação", justifica Clarissa.

Membro titular da comissão de Cidadania, Clarissa lembra que outra importante audiência pública foi realizada na última segunda-feira 29, no Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça em Defesa da Saúde, por iniciativa do Ministério Público de Pernambuco.

"Os dados do MPPE, que há cerca de três anos abriu inquérito civil público para apurar o desabastecimento, são impressionantes. De acordo com a promotora de defesa da saúde da capital, Dra. Maria Ivana Botelho, medicações para hipertensão arterial pulmonar, por exemplo, já faltaram por cerca de um ano.

Em Pernambuco, a média atual de desabastecimento nas farmácias públicas é de mais de 50%. Queremos ouvir e cobrar responsabilidade na regularização do fornecimento desses medicamentos.

O governo estadual deve explicações a população e não pode mascarar o descaso com a saúde e nem continuar tentando ‘varrer’ a incompetência para debaixo do tapete", aponta Clarissa, líder do PSC na Alepe.

Atualmente a Farmácia do Estado tem 32 unidades distribuídas por municípios pernambucanos. Dos 231 medicamentos que devem fazer parte da lista ofertada, 139 estão em falta. Entre eles, estão remédios para manter sob controle doenças crônicas e neurológicas, transtornos mentais, patologias autoimunes e até dores superintensas. "Lemos frequentes notícias repercutindo queixas de pessoas simples que necessitam de medicação.

Também recebemos uma grande demanda de solicitações de pacientes e médicos denunciando que, há meses, a Farmácia do Estado não oferece remédios essenciais para tratar a epilepsia, por exemplo, enfermidade que, só em Pernambuco, acomete cerca de 131 mil pessoas. Impressionante é a resposta do governo.

A Secretaria Estadual de Saúde já deve ter uma NOTA pronta resumindo que determinada medicação está em processo de aquisição, ou que o fornecedor atrasou a entrega. Quase sempre a mesma justificativa", critica a deputada Clarissa que faz parte da bancada de Oposição na Alepe.



Bolsonaro nega criação taxas para igrejas e diz que nenhum imposto será criado em seu governo
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro nega criação taxas para igrejas e diz que nenhum imposto será criado em seu governo

O presidente Jair Bolsonaro negou hoje (29), em vídeo publicado no Twitter, a criação de novos impostos, “em especial contra as igrejas”. “Essa informação não procede. Em nosso governo, nenhum novo imposto será criado, em especial contra as igrejas que, além de terem um excelente trabalho social prestado a toda comunidade, reclamam eles, em parte com razão no meu entendimento, que há uma bitributação nessa área”, disse.

Bolsonaro se manifestou após publicação de entrevista do secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, ao jornal Folha de S.Paulo. De acordo com a publicação, na proposta de reforma tributária de Cintra, a contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento será substituída por um novo tributo, que vai incidir sobre todas as transações financeiras, bancárias ou não, e será rateado entre as duas pontas da operação (quem paga e quem recebe). 

A reportagem informa ainda que o novo tributo, chamado de Contribuição Previdenciária (CP), deve incidir até mesmo sobre o dízimo pago pelos fiéis às igrejas, além daqueles que têm imunidades constitucionais, como instituições religiosas e filantrópicas. No vídeo publicado no Twitter, Bolsonaro disse que foi surpreendido pela declaração do secretário.

Hoje, também pelo Twitter, Marcos Cintra defendeu novamente o fim da tributação sobre a folha de salários e disse que a manchete da Folha de S.Paulo não é fiel à entrevista que ele concedeu. “Chega de tributar folha de salários. Manchete da Folha diz que Receita quer criar imposto novo que vai tributar igrejas. Mas não diz que será eliminado o imposto de 20% sobre a folha de salários, este sim altamente prejudicial a toda a sociedade, inclusive as igrejas”, escreveu o secretário da Receita.

Nesta tarde, Bolsonaro se reúne com Cintra no Palácio do Planalto. O encontro já constava na agenda do presidente desde a semana passada.

Com informações da Agência Brasil



SODECA quer que TCE abra as contas do carnaval de Olinda
Autor
Adriano Roberto

SODECA quer que TCE abra as contas do carnaval de Olinda

A Sociedade Olindense de Defesa da Cidade Alta (SODECA) encaminhou ofício ao presidente do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE), Marcos Loreto, reclamando “ausência, por parte deste Tribunal, de resposta em tempo hábil relativa aos exames da prestação de contas da Prefeitura Municipal de Olinda, ao que concerne à apreciação das receitas e despesas referentes aos carnavais dos exercícios 2017 e 2018.”

As contas do Carnaval de 2017 e 2018 foram rejeitadas pela Câmara Municipal de Olinda. Em seguida, o Tribunal de Contas instaurou um Processo de Auditoria Especial e até o presente não concluído. “A prestação de contas das receitas e despesas do Carnaval é uma exigência legal e a atual gestão já está no seu terceiro ano de gestão, na hipótese de ter havido cometimento de irregularidades, caso por ventura haja necessidade da finalização dos mencionados processos em tempo hábil por esse Egrégio Tribunal,” conclui documento assinado por Alexandre Pereira de Melo e Mônica Siqueira da Silva, dirigentes da SODECA.



Tudo o que pesa contra o ex-presidente Michel Temer
Autor
Adriano Roberto

Tudo o que pesa contra o ex-presidente Michel Temer

Da Veja - No último dia 21 de março, o ex-presidente da República Michel Temer (MDB) foi preso durante uma investigação da Operação Lava Jato relacionado às obras da usina de Angra 3, realizadas pela Eletronuclear. O ex-presidente foi solto menos de uma semana depois, mas ainda enfrenta uma longa lista de problemas com a Justiça: é alvo de mais nove inquéritos, em diferentes estágios e que tramitam em diversas seções do país.

Ao todo, já são seis denúncias apresentadas, incluindo as três apresentadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) entre 2017 e 2018, quando Temer ainda era presidente. Em três processos, as acusações foram recebidas e ele se tornou réu, por decisão dos juízes federais Marcelo Bretas e Rodrigo Parente Paiva, do Rio de Janeiro e do Distrito Federal, respectivamente.

RÉU – Mala de 500.000 reais – Justiça Federal de Brasília
Dias após reunião entre Michel Temer e o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu, um ex-assessor do presidente, Rodrigo Rocha Loures, recebeu 500.000 reais da JBS. A cena de Loures carregando a mala de dinheiro foi filmada pela Polícia Federal. Temer e Loures foram denunciados pela PGR por corrupção passiva. Em 28 de março, o juiz Rodrigo Parente Paiva recebeu a acusação e eles se tornaram réus.

RÉU – Inquérito dos Portos – Justiça Federal de Brasília
Em 2018, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou Michel Temer como integrante de suposto esquema para favorecer empresas por meio de um decreto que assinou em maio de 2017 sobre o setor portuário. A acusação é de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

RÉU – Angra 3 – Justiça Federal do Rio de Janeiro
Primeira de duas denúncias formuladas pela Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Investigadores sustentam que o emedebista recebeu 14,5 milhões de reais em propina de um contrato da Eletronuclear com um consórcio formado pelas empresas Engevix, Argeplan e AF Consult. O caso tem origem na delação premiada do dono da Engevix, José Antunes Sobrinho.

O repasse teria ocorrido por meio de um contrato fictício da Construbase Engenharia com a PDA, empresa do Coronel Lima, suposto operador do ex-presidente. Temer virou réu em 2 de abril, por decisão do juiz Marcelo Bretas.

RÉU – Angra 3/Alumi – Justiça Federal do Rio de Janeiro
Segunda de duas denúncias formuladas pela Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. O caso também relação com a obra em Angra 3 e as relações entre a estatal Eletronuclear e a empreiteira Engevix, delatada pelo empresário José Antunes Sobrinho.

De acordo com a acusação, foi repassado 1,1 milhão de reais pela Alumi Publicidades para a PDA, do Coronel Lima, que elaborou um estudo técnico fraudulento para a implantação de painéis publicitários no Aeroporto de Brasília. Temer virou réu em 2 de abril, por decisão do juiz Marcelo Bretas.

RÉU – Maristela Temer – Justiça Federal em São Paulo
A Operação Lava Jato em São Paulo denunciou o ex-presidente por lavagem de dinheiro, acusando-o de utilizar recursos obtidos de forma ilícita para a reforma da casa da sua filha Maristela Temer na capital paulista.

DENUNCIADO – ‘Quadrilhão do MDB’ – Justiça Federal em Brasília
Em 2017, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Michel Temer e outras lideranças nacionais do MDB por organização criminosa e obstrução à Justiça sob a suspeita de que estas formaram uma espécie de “quadrilha” para promover desvios de dinheiro público, na Petrobras e em outras estatais, e atrapalhar as respectivas investigações.