Blog do Adriano Roberto


DETRAN-PE faz Blitz nas festas pré-carnavalescas
Autor
Adriano Roberto

DETRAN-PE faz Blitz nas festas pré-carnavalescas

Na ação, que contou com a parceria da Polícia Militar – PM, e do Batalhão de Policiamento de Trânsito – BPTran, foram autuados 216 condutores por não uso do cinto de segurança, inclusive no banco traseiro; falar ao celular durante a condução do veículo; não portar Carteira Nacional de Habilitação – CNH, e documento de porte obrigatório (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo – CRLV); falta de equipamento obrigatório de segurança; e levar criança sem o uso da cadeirinha. Desses, 49 tiveram o veículo removido para o depósito do Órgão; foram realizados 438 testes de alcoolemia, desses 25 condutores foram autuados por alcoolemia.  

A OTS tem como foco infrações do cotidiano, comuns nas ruas e avenidas, sempre garantindo o cumprimento das leis e da fluidez do trânsito. Já a ORF, foge do modelo convencional de blitz estática e mobiliza as equipes para que os agentes se posicionem estrategicamente, a fim de impedir a evasão dos infratores, tem como objetivo principal coibir a realização de manobras perigosas nas vias, colocando em risco a segurança no trânsito, inclusive dos pedestres.

O Diretor Presidente do DETRAN-PE, Roberto Fontelles, alerta que os agentes de trânsito estão nas ruas para garantir aos cidadãos mais tranquilidade. É importante que cada um faça seu papel, os condutores devem ter prudência na hora de dirigir e não fazer a mistura fatal que é álcool e direção.



Codinome Patriota abre o jogo entre Bebianno e Bivar para o blog
Autor
Adriano Roberto

Codinome Patriota abre o jogo entre Bebianno e Bivar para o blog

Em denúncia anônima o leitor do nosso blog de codinome “Patriota” revela relação entre Bebianno e Luciano Bivar do PSL PE. Leia no texto abaixo:

Sobre "Luciano Bivar e Gustavo Bebbiano".

   Não adianta querer enxergar melhor se "o óculos é velho".

 A VERDADES DOS FATOS:

O então candidato Jair Bolsonaro, em março de 2018, fez um acordo com Luciano Bivar que era presidente do PSL, na época, um partidinho de merda, insignificante, nanico. Bivar, raposa velha, "farejou" que ia "se dar bem". 

Ele cedia a sigla para Bolsonaro ser candidato e este, abriria mão de todo o valor do fundo partidário, cerca de R$ 1.800 milhões. Acordo feito, Bolsonaro NÃO USOU nenhum centavo deste fundo partidário. 

Bivar passou a presidência do PSL para Gustavo Bebbiano (Lógico que Bolsonaro não confiava em Bivar, claro!). Então, coube a Bebbiano gerir esse dinheiro que foi totalmente direcionado para Bivar e sua campanha em Pernambuco. 

Traindo Bolsonaro, Bebbiano cedeu às tentações e pressões de Luciano Bivar e acobertou  essa maracutaia das candidaturas-laranjas que só beneficiaram Bivar. 

Então, gente, diferentemente de FHC, Lula e Dilma que nunca mandaram a Polícia Federal investigar PSDB e PT, seus próprios partidos, Bolsonaro não quis saber de passar a mão na cabeça de ninguém e, mandou apurar. 

Está claro o envolvimento de Bebbiano, que perdeu a confiança do presidente e não tem mesmo como continuar no governo. Bolsonaro, diferentemente de Lula, de FHC e Dilma, não vai compactuar com erros e crimes.

Carlos Bolsonaro não está atrapalhando o governo, pelo contrário, farejou erros, traições à confiança do presidente e botou a boca no mundo!

Aqui não tem PT nem PSDB que encheram o governo de ladrões e corruptos e passavam a mão na cabeça de bandidos. 

Não temos  bandidos de estimação. Quem errar será posto prá fora! Simples!



Lula diz que não reconhece nova sentença contra ele
Autor
Adriano Roberto

Lula diz que não reconhece nova sentença contra ele

Não reconheço a legitimidade dessa sentença, sou inocente e, por isso, vou recorrer." A declaração foi feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após ser intimado sobre sua nova condenação, a 12 anos e 11 meses de prisão, na ação envolvendo o sítio em Atibaia. O petista assinou o documento às 15h50 de sexta, 15.

O ex-presidente foi sentenciado pelos crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro por supostamente receber R$ 1 milhão em propinas por meio de reformas no sítio, que está em nome de Fernando Bittar, filho do amigo de Lula e ex-prefeito de Campinas Jacó Bittar. Segundo a sentença, as obras foram custeadas pelas empreiteiras OAS, Odebrecht e Schahin.

A pena, proferida pela juíza Gabriela Hardt é maior do que a imposta pelo ex-juiz federal Sérgio Moro. Em julho de 2017, o então magistrado da Lava Jato condenou o ex-presidente no caso triplex a 9 anos e seis meses de prisão.

Ao fim da sentença, a magistrada mandou intimar os acusados sobre se queriam apresentar recurso. Lula afirmou que vai recorrer.

Propriedade

A juíza federal Gabriela Hardt afirmou que a família do petista "usufruiu do imóvel como se dona fosse". "Inclusive, em 2014, Fernando Bittar alegou que sua família já não o frequentava com assiduidade, sendo este usado mais pela família de Lula", anotou a juíza. A magistrada afirmou, no entanto, que a ação penal não "passa pela propriedade formal do sítio".

Em sentença, Hardt considerou que o valor de R$ 1 milhão empregado por OAS, Schahine Odebrecht no Sítio Santa Bárbara foram propinas em benefício do ex-presidente. Ela ressalta que a denúncia oferecida pela Operação Lava Jato narra "reforma e decoração de instalações e benfeitorias" que teriam sido realizadas em benefício de Luiz Inácio Lula da Silva e família.

"O registro da propriedade do imóvel em que realizadas tais reformas está em nome de Fernado Bittar, também réu nos presentes autos, pois a ele imputado auxílio na ocultação e dissimulação do verdadeiro beneficiário", anotou.

De acordo com a magistrada. "os proprietários dos dois imóveis são pessoas que possuem vínculo com a família do ex-presidente, vínculo esse afirmado por todos os envolvidos". "Ainda, as operações contaram com a participação do advogado Roberto Teixeira, pessoa também vinculada de forma próxima a Luiz Inácio Lula da Silva, sendo lavradas as duas escrituras pelo mesmo escrevente, em seu escritório".

"Fato também incontroverso é o uso frequente do sítio pela família de Luiz Inácio Lula da Silva, sendo que, ao menos em alguns períodos, também resta incontroverso que a família do ex-presidente chegou a usá-lo até mais do que a família Bittar", escreveu.

Depoimentos e alegações

Em interrogatório, Bumlai declarou não ter pago "nem um real". O sítio de Atibaia está em nome do empresário Fernando Bittar, filho de Jacó Bittar, amigo de longa data do ex-presidente.

Em depoimento, Fernando Bittar negou que tenha pago a obra. "Eu não sei dizer se eles (Lula e Marisa) pagaram. Mas na minha cabeça"

Apontado por delatores como o homem de confiança do ex-presidente que tocou a obra do sítio, o ex-segurança de Lula Rogério Aurélio Pimentel afirmou ter sido o "capataz" das reformas no imóvel e confirmou os pagamentos da Odebrecht.

Em alegações finais, a defesa do ex-assessor da Presidência da República afirmou que se ele "não sabia sequer as quantias que continham nos envelopes, tampouco possa se esperar que soubesse de eventual origem ilícita dos valores".

Exige-se do presidente um comportamento exemplar, diz Gabriela Hardt a Lula

Na sentença, Gabriela Hardt anotou que exige-se de um presidente da República "um comportamento exemplar". "Luiz Inácio Lula da Silva responde a outras ações penais, inclusive perante este Juízo, mas sem trânsito em julgado, motivo pelo qual deve ser considerado como sem antecedentes negativos. A culpabilidade é elevada. O condenado recebeu vantagem indevida em decorrência do cargo de Presidente da República, de quem se exige um comportamento exemplar enquanto maior mandatário da República", afirmou.

A juíza afirmou também "o esquema de corrupção sistêmica criado tinha por objetivo também, de forma espúria, garantir a governabilidade e a manutenção" do PT no Poder.

"O crime foi praticado em um esquema criminoso mais amplo no qual o pagamento de propinas havia se tornado rotina. Consequências também devem ser valoradas negativamente, pois o custo da propina foi repassado à Petrobras, através da cobrança de preço superior à estimativa, aliás propiciado pela corrupção, com o que a estatal ainda arcou com o prejuízo no valor equivalente", anotou.

"Reputo passível de agravamento neste tópico os motivos do crime, pois o esquema de corrupção sistêmica criado tinha por objetivo também, de forma espúria, garantir a governabilidade e a manutenção do Partido no Poder."

Petrobras

Ao sentenciar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 12 anos e 11 meses de prisão por supostas propinas de R$ 1 milhão referentes às reformas do sítio em Atibaia, a juíza federal Gabriela Hardt afirmou que o petista tinha o papel de "dar suporte à continuidade do esquema de corrupção havido na Petrobras", ainda que não tenha sido "comprovada sua participação específica em cada negociação realizada nessas contratações".

"Comprovado ainda que o réu Luiz Inácio Lula da Silva teve participação ativa neste esquema, tanto ao garantir o recebimento de valores para o caixa do partido ao qual vinculado, quanto recebendo parte deles em benefício próprio. Tais verbas foram solicitadas e recebidas indevidamente em razão da função pública por ele exercida, pouco importando pelo tipo penal se estas se deram parcialmente após o final do exercício de seu mandato", anotou.

De acordo com a magistrada, o "fato de sua responsabilidade não ter sido apurada em auditorias internas ou externas da Petrobras, ou o fato das nomeações de Diretores passarem pelo crivo do Conselho da Administração não afastam sua responsabilidade". "Como já dito em outros julgamentos, auditorias são limitadas, e nem sequer identificaram à época oportuna o grande esquema de corrupção já desvendado".

Ação

O sítio Santa Bárbara é pivô da terceira ação penal da Lava Jato, no Paraná, contra o ex-presidente - além de sua segunda condenação. O petista ainda é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro por supostas propinas da Odebrecht - um terreno que abrigaria o Instituto Lula e um apartamento vizinho ao que morava o ex-presidente em São Bernardo do Campo.

Prisão

O ex-presidente já cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão no caso triplex, na sede da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba, desde 7 abril de 2018, por ordem do então juiz federal Sérgio Moro.

Lula foi sentenciado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro envolvendo suposta propina de R$ 2,2 milhões da OAS referente às reformas do imóvel.

Defesa

Com a palavra, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula

"A defesa do ex-presidente Lula recorrerá de mais uma decisão condenatória proferida hoje (06/02/2019) pela 13ª Justiça Federal de Curitiba que atenta aos mais basilares parâmetros jurídicos e reforça o uso perverso das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política, prática que reputamos como 'lawfare'.

A sentença segue a mesma linha da sentença proferida pelo ex-juiz Sérgio Moro, que condenou Lula sem ele ter praticado qualquer ato de ofício vinculado ao recebimento de vantagens indevidas, vale dizer, sem ter praticado o crime de corrupção que lhe foi imputado. Uma vez mais a Justiça Federal de Curitiba atribuiu responsabilidade criminal ao ex-presidente tendo por base uma acusação que envolve um imóvel do qual ele não é o proprietário, um 'caixa geral' e outras narrativas acusatórias referenciadas apenas por delatores generosamente beneficiados.

A decisão desconsiderou as provas de inocência apresentadas pela Defesa de Lula nas 1.643 páginas das alegações finais protocoladas há menos de um mês (07/01/2019) - com exaustivo exame dos 101 depoimentos prestados no curso da ação penal, laudos técnicos e documentos anexados aos autos. Chega-se ao ponto de a sentença rebater genericamente a argumentação da defesa de Lula fazendo referência a 'depoimentos prestados por colaboradores e corréus Leo Pinheiro e José Adelmário' (p. 114), como se fossem pessoas diferentes, o que evidencia o distanciamento dos fundamentos apresentados na sentença da realidade.

Ainda para evidenciar o absurdo da nova sentença condenatória, registra-se que:

- Lula foi condenado pelo 'pelo recebimento de R$ 700 mil em vantagens indevidas da Odebrecht' mesmo a defesa tendo comprovado, por meio de laudo pericial elaborado a partir da análise do próprio sistema de contabilidade paralelo da Odebrecht, que tal valor foi sacado em proveito de um dos principais executivos do grupo Odebrecht (presidente do Conselho de Administração); esse documento técnico (elaborado por auditor e perito com responsabilidade legal sobre o seu conteúdo) e comprovado por documentos do próprio sistema da Odebrecht foi descartado sob o censurável fundamento de que 'esta é uma análise contratada por parte da ação penal, buscando corroborar a tese defensiva' - como se toda demonstração técnica apresentada no processo pela defesa não tivesse valor probatório;

- Lula foi condenado pelo crime de corrupção passiva por afirmado 'recebimento de R$ 170 mil em vantagens indevidas da OAS' no ano de 2014 quando ele não exercia qualquer função pública e, a despeito do reconhecimento, já exposto, de que não foi identificado pela sentença qualquer ato de ofício praticado pelo ex-presidente em benefício das empreiteiras envolvidas no processo;

- foi aplicada a Lula, uma vez mais, uma pena fora de qualquer parâmetro das penas já aplicadas no âmbito da própria Operação Lava Jato - que segundo julgamento do TRF4 realizado em 2016, não precisa seguir as 'regras gerais' - mediante fundamentação retórica e sem a observância dos padrões legalmente estabelecidos.

Em 2016 a defesa demonstrou perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU a ocorrência de grosseiras violações às garantais fundamentais, inclusive no tocante à ausência de um julgamento justo, imparcial e independente. O conteúdo da sentença condenatória proferida hoje somente confirma essa situação e por isso será levada ao conhecimento do Comitê, que poderá julgar o comunicado ainda neste ano - e eventualmente auxiliar o país a restabelecer os direitos de Lula. Com informações do Estadão Conteúdo.



Exoneração de Bebianno ainda não foi publicada no Diário Oficial da União
Autor
Adriano Roberto

Exoneração de Bebianno ainda não foi publicada no Diário Oficial da União

A edição regular do Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira, 18, já está no ar e não traz a exoneração de Gustavo Bebianno do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência, como era esperado. No DOU desta segunda-feira, 18, Bebianno ainda é formalmente ministro. O documento oficializa atos assinados por ele na última sexta-feira, 15, dentre os quais uma portaria sobre atribuições de assessores especiais da pasta.

Conforme o jornal O Estado de S. Paulo antecipou no sábado, 16, o presidente Jair Bolsonaro já estava com o ato de demissão do ministro assinado. O próprio ministro também já havia dito que tinha recebido sinalizações de que sua dispensa sairia no Diário Oficial de hoje. No entanto, o ato não veio publicado ainda, mas pode sair em edição extra ao longo do dia.

A não formalização da demissão, pelo menos por ora, indica que o governo ainda está tratando do assunto. No fim de semana, o presidente Bolsonaro e auxiliares, como o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tiveram reuniões para encontrar uma forma "honrosa" de demitir Bebianno, o que também poderia ter sido feito ainda no fim de semana em edição extra do Diário Oficial, se o governo quisesse.

Nos últimos dias, políticos e militares tentaram interceder a favor de Bebianno, mas o presidente estava irredutível e, segundo apurou o Estado, deverá nomear um militar para o lugar do ministro. O general Floriano Peixoto deve ficar à frente da Secretaria, ao menos interinamente - ele é o secretário executivo da pasta. Com isso, Peixoto seria o oitavo militar a ocupar o primeiro escalão do governo, o que tornaria a Casa Civil a única pasta palaciana sob a liderança de um civil.

Bebianno vem sendo acusado de supostas irregularidades nas campanhas eleitorais do PSL ocorridas na época em que ele presidia o partido, que também tem o presidente Bolsonaro como filiado. A crise cresceu quando o vereador Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente, chamou Bebianno de mentiroso, declaração que foi reforçada pelo próprio presidente.



Coordenador do Direita Brasil revela reais motivos da demissão de Bebianno
Autor
Adriano Roberto

Coordenador do Direita Brasil revela reais motivos da demissão de Bebianno

Por Rômulo Bittencourt

Um breve resumo dos motivos que levaram o Ministro Gustavo Bebianno ser demitido do Governo:

No período a frente do partido, o Gustavo Bebianno teve diversas acusações contra ele:

- O  Gustavo Bebianno foi acusado de sabotar a escolha do Luiz Philippe de Orleans e Bragança para vice-presidente;

- Gustavo Bebianno criou desentendimentos e ameaçou algumas lideranças de Movimentos Sociais da Direita, ficando sem reconhecer a importância dos lideres desses movimentos para a campanha vitoriosa do bolsonaro;

- Gustavo Bebianno era o cara do PSL que cuidava das candidaturas durante a última eleição e escolhia a dedo quem seria candidato pelo partido;

- Um esquema de candidatos laranjas e fantasmas foi descoberto agora nesse periodo que Bebianno comandava o PSL;

 - Questionado pela mídia, Bebianno diz que não há crise no governo e que falou com o presidente 3 vezes (ou seja, tentou usar o Jair como escudo ao mesmo tempo que tentou associar o presidente às acusações, dando a impressão de que havia falado com o Jair sobre as suspeitas);

- Para provar que Bolsonaro não conversou com Bebianno sobre as acusações, Carlos Bolsonaro divulga áudio em que Bolsonaro se recusa a conversar com Bebianno;

- Bolsonaro concede entrevista no hospital e confirma que não conversou com Bebianno sobre o assunto;

- Bolsonaro diz que mandou Sérgio Moro colocar a Polícia Federal para investigar o esquema de desvio de dinheiro público no PSL;

- Sérgio Moro confirma a investigação.

Saibam os principais motivos da queda do ministro Gustavo Bebianno:

_1°) Marcou encontro com um diretor da Globo no palácio do Planalto;_

_2°) Vazou duas conversas com Bolsonaro sobre decisões estratégicas do governo;_

_3°) Mentiu publicamente que tinha conversado com Bolsonaro (desmentido imediatamente por Carlos Bolsonaro) - Jair Bolsonaro detesta mentira:_

_4°) Utilizou 2(duas) candidatas inexpressivas do PSL para transferência de verba do fundo eleitoral, sendo uma delas ex-assesora do mesmo. As duas candidatas são funcionaria do PSL a vários anos e ligada ao grupo politico do dono do partido, o Luciano Bivar;

_5°) Em novembro de 2018 já tinha causado problemas entrando em atrito com os filhos de Bolsonaro;_

Os Movinentos Sociais da Direita continuam firmes no apoio ao nosso presidente Bolsonaro e a seus filhos, porém as pessoas que tentam isolar o nosso presidente dos Movimentos Sociais da Direita que foram os principais responsáveis pela sua vitoria, não ficarão em pune sem que a sociedade saiba da verdade sobre essas pessoas oportunista e de mal caráter, que tentam dividir a Direita politica e enfraquecer os movimentos sociais da Direita para tirar proveitos e se auto benificiar com a situação.

RÔMULO BITTENCOURT - Coordenador Nacional da (CDBr)- Confederação Direita Brasil



Mas afinal! Quem é esse tal Gustavo Bebianno?
Autor
Adriano Roberto

Mas afinal! Quem é esse tal Gustavo Bebianno?

SINAIS, SEMPRE OS SINAIS

Nem sei por onde começar, mas vamos lá.

Eu não sabia quem era esse tal de Bebianno, que atualmente é o Secretário-Geral da Presidência. Como a maioria só vim a conhecê-lo durante a campanha presidencial.

Porém, quando observei ontem a defesa apaixonada da imprensa oficial por ele, minhas antenas ficaram em alerta. Ora! Justo uma imprensa que quer derrubar o Presidente Bolsonaro todos os dias??? Uma imprensa que faz de um limão uma limonada e que quer porque quer derrubar ministros, haja visto o que fizeram com a Ministra Damares, só para citar um exemplo e não me prolongar muito.

Como sempre resolvi fazer uma pesquisa, agora sobre o tal Bebianno.

Descobri que ele trabalhou no escritório do famoso advogado e sócio da esposa do Gilmar Mendes, Sérgio Bermudes. (isso já diz muita coisa).

Descobri também que durante muito tempo ele tentou de várias maneiras se aproximar da família Bolsonaro sem sucesso. Porém, não desistiu. Mandou mensagens pelo Facebook, e-mails se oferecendo para trabalhar na campanha do Bolsonaro, até com o sogro (Coronel do Exercito) falou para tentar um encontro com o Bolsonaro em Brasília, que também não deu certo. Mas, a persistência foi tanta que acabou conseguindo o que queria. Havia processos do Bolsonaro largados a própria sorte e foi assim o caminho que fez com que chegasse ao Presidente e passasse a gozar da sua confiança.

Bebianno é amigo do Paulo Marinho, aquele ligado aos petistas, que foi casado com a Maitê Proença, amigão do José Dirceu, que se filiou ao PSL e mesmo a contragosto do Flávio Bolsonaro, foi colocado como 1º suplente do Senador.

Assessores alegam que ele manobrou para que o Bolsonaro se afastasse dos Patriotas e jogou o Presidente no colo do PSL do Luciano Bivar (que dispensa apresentações) e com isso passou a ser o Presidente interino do PSL durante a campanha do Bolsonaro.

Além de cuidar pessoalmente do dinheiro do partido, coube também ao tal Bebiano se encarregar das candidaturas estaduais. Fritou muitos nesse processo tendo a seu lado o tal de Julian Lemos.

Com as muitas reclamações internas do tal Bebbiano, Carlos Bolsonaro, que atuava ao lado do pai, pois não estava em campanha própria como os outros irmãos, começou a observar mais de perto o que acontecia dentro do partido, observando as manobras que o Bebiano fazia para afastar os aliados do pai. A partir daí é que começa o imbróglio.

De alguma forma Bolsonaro acordou para o caso, pois o tal Bebiano foi um dos últimos a assumir um cargo no 1º escalão, a Secretaria-Geral da Presidência, porém antes ela foi esvaziada, pois Bolsonaro passou a maioria dos encargos da Secretaria (como o bilionário Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) ao General Santos Cruz que é o Secretário de Governo. (Isso na época já me chamou a atenção, mas deixei no cantinho).

Isso demonstra claramente que o Presidente já não mais confiava no tal Bebiano. E obviamente que ele sabia disso e não deve ter ficado nada feliz em ser um Secretário basicamente sem função.

Durante o período de transição e agora mesmo, houve muitos vazamentos à imprensa. E com a defesa que toda a imprensa faz para que o tal Bebiano não caia, mas que se fosse com qualquer outro ministro seria diferente, mostra claramente que o tal é um dos maiores vazadores. Vingança??? Estar a serviço de outréns para derrubar o governo e isso desde antes da campanha??? São possibilidades.

O que mais os inimigos do Presidente Bolsonaro desejam é um escândalo o envolvendo em algum tipo de corrupção. Para que melhor que esse que apareceu dos desvios de dinheiro para candidatas mulheres dentro do PSL??? Escândalo esse que aparece justamente no momento que o Presidente está fragilizado pela 3ª cirurgia que fez em decorrência do atentado terrorista que o Adélio Bispo, supostamente ex-PSOL, fez em 06 de setembro de 2018???

Acontece que o tal Bebiano afirmou que não havia crise e que tinha falado com o Presidente (hospitalizado) 3 vezes num dia, sendo assim, colocou o Presidente no fogo, arrastando-o para um escândalo do qual ele nem tinha conhecimento. Carlos Bolsonaro, percebeu a manobra e o pai também e, desmentiu publicamente o Bebiano, mostrando inclusive um áudio do pai dizendo que não podia falar com ele, pois estava se preparando para exames a fim de sair do hospital, áudio esse retuitado pelo próprio Bolsonaro.

Bebiano afirma que falou com o Presidente Bolsonaro por mensagens, mas não as mostrará por questão do cargo. Balela!! Não há conversa nenhuma, com certeza se houvesse ele teria vazado para a imprensa. 

A partir daí começou o ataque da imprensa contra o Carlos e a defesa ardorosa para com o tal Bebiano, interessante ressaltar que o escândalo em si não mais foi pautado pela imprensa, só o discurso que os filhos do Bolsonaro estão atrapalhando o governo. O que é mentira.

Flávio Bolsonaro está no Senado fazendo o trabalho dele, Eduardo, idem, só o Carlos está junto ao pai ajudando na sua recuperação.

A pergunta que faço é: Os filhos estão atrapalhando o governo ou os planos dos inimigos para derrubar o Presidente Bolsonaro??

Diante de tudo que pesquisei não tenho a menor dúvida que esse tal de Bebiano é um dos infiltrados no Governo Bolsonaro e isso desde as eleições. Além de ser X9 da imprensa, queridinho da Globo, Folha de São Paulo e até dos Antagonistas, fora outros veículos da mídia.

Usando seus amigos da imprensa, Bebiano deu uma entrevista na Crusoé, que li, e nela há várias ameaças ao Presidente Bolsonaro, um absurdo total!!

O Bebiano recebeu o recado do Presidente, ou ele pede as contas, ou será exonerado segunda-feira e obviamente o tal Bebiano vazou isso para O Antagonista ontem mesmo.

Diante do exposto, o Bebiano tem que sair, é um infiltrado, desestabiliza o Governo com vazamentos à imprensa que quer porque quer derrubar o Governo, atua nas sombras.

Caso ele fique o Presidente Bolsonaro terá um grande problema. Começarão a dizer, aliás já estão dizendo, que ele ficou com medo do tal Bebiano e que esse ordinário tem ele nas mãos.

Muita gente diz que os militares resolverão o problema. Os militares estão falhando muito para meu gosto. Deixaram um petista de carteirinha entrar na comitiva do Presidente a Davos e duvido e o dó que não soubessem quem é esse tal Bebiano.

Pois seu eu descobri em uma pesquisa básica, eles devem saber bem mais a respeito e já era para tê-lo chamado de canto e o tirado do cargo na mesma hora que o escândalo do PSL veio a público, usando a "diplomacia" de que ele se afastasse até provar sua inocência e fim. O tal Bebiano mesmo teria se demitido e ainda sairia por cima.

Mas, para se agarrar a um cargo que foi esvaziado, com certeza o tal Bebiano está a serviço de alguém, resta saber de quem.

Também acho que o Carlos Bolsonaro, após a recuperação do seu pai, deva retornar a vereança no Rio; não porque atrapalhe o Governo, mas porque ele tem compromisso com os eleitores que o elegeram.



Bolsonaro negocia migrar para nova UDN
Autor
Adriano Roberto

Bolsonaro negocia migrar para nova UDN

Do Estadão - Com o PSL em crise e sob suspeita de desviar verba pública por meio de candidaturas “laranjas” nas eleições de 2018, os filhos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) negociam migrar para um novo partido, que está em fase final de criação. Trata-se da reedição da antiga UDN (União Democrática Nacional).

Segundo três fontes ouvidas pela reportagem em caráter reservado, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se reuniu na semana passada em Brasília com dirigentes da sigla para tratar do assunto. Ele tem urgência em levar adiante o projeto. Eleito com 1,8 milhão de votos, Eduardo teria o apoio de seu irmão, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Com esse movimento, a família Bolsonaro buscaria preservar seu capital eleitoral diante do desgaste do partido.

FAMÍLIA BOLSONARO
Enquanto ainda estava internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, Jair Bolsonaro acionou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, para que determinasse investigações sobre o caso.

As suspeitas atingiram o presidente da legenda, deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE), e foram pano de fundo da crise envolvendo o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, que foi chamado de mentiroso por Carlos Bolsonaro depois de afirmar que tratara com o pai sobre o tema. Após cinco dias de crise, Bebianno deve ser exonerado do cargo nesta segunda-feira, 18, por Bolsonaro.

Além de afastar a família dos problemas do PSL, a nova sigla realizaria o projeto político de aglutinar lideranças da direita nacional identificadas com o liberalismo econômico e com a pauta nacionalista e conservadora, defendida pelo clã Bolsonaro.

No começo do mês, Eduardo foi ungido por Steve Bannon, ex-assessor do presidente americano Donald Trump, como o representante na América do Sul do The Movement, grupo que reúne lideranças nacionalistas antiglobalização.

O projeto do novo partido é tratado com discrição no entorno do presidente. Em 2018, a UDN foi um dos partidos – embora ainda em formação e sem registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – sondados por interlocutores do presidente para que ele disputasse a eleição, mas a articulação não avançou. Depois de anunciar a adesão ao Patriota, Jair Bolsonaro acabou escolhendo o PSL.

Assinaturas. A nova UDN é um dos 75 partidos em fase de criação, conforme o TSE. Segundo seu dirigente, o capixaba Marcus Alves de Souza, apoiadores já reuniram 380 mil assinaturas – são necessárias 497 mil para a homologação da legenda. O partido já tem CNPJ e diretórios em nove Estados, como exige a legislação eleitoral para a homologação. Ela tem em Brasília um de seus principais articuladores, o advogado Marco Vicenzo, que lidera o Movimento Direita Unida e coordena contatos com parlamentares interessados em aderir ao novo partido. A articulação envolveria ainda o senador Major Olímpio (PSL-SP), que nega.

Souza prefere não comentar as tratativas do partido que estão em curso. Ele, porém, admitiu que a intenção é criar o maior partido de direita do País. Como se trata de uma sigla nova, a legislação permite a migração de políticos sem que eles corram o risco de perder seus mandatos. “O único partido que tem o DNA da direita é a UDN. A gente não pode ter medo de crescer, mas com responsabilidade”, afirmou.

Souza deixou o Espírito Santo, onde atuou na Secretaria da Casa Civil do ex-governador Paulo Hartung, e mudou-se para São Paulo para concluir a criação da nova UDN, que adotou o mesmo mote de sua versão antiga: “O preço da liberdade é a eterna vigilância”. “Nosso sonho é que a UDN renasça grande e se torne o maior partido do Congresso”, afirmou seu presidente. Ele disse ainda que a legenda pretende apoiar o governo Bolsonaro e está aberta “para receber pessoas sérias do PSL e de qualquer partido”.

Palácio. Procurada pelo Estado, a assessoria do Palácio do Planalto informou que não ia se manifestar sobre o assunto. A reportagem procurou ainda as assessorias do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), do deputado Eduardo Bolsonaro e do vereador Carlos Bolsonaro, mas nenhuma delas se manifestou.

Bivar, presidente da legenda, também foi procurado, mas não respondeu ao Estado.

‘Sigla tem forte apelo popular’, diz historiador
Em processo de homologação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a UDN, sigla que pode abrigar o clã Bolsonaro, foi inspirada no partido que nasceu em 1945 para aglutinar as forças que se opunham à ditadura de Getúlio Vargas.

Com o discurso de moralização da política e contra corrupção, a frente unia originalmente desde a Esquerda Democrática – que romperia um ano depois com a sigla e fundaria o Partido Socialista Brasileiro – a antigos aliados de Vargas, como o general Juarez Távora e o ex-governador gaúcho Flores da Cunha, rompidos com o ditador.

Em 1960, o partido apoiou a eleição de Jânio Quadros, eleito presidente, e, em 1964 , a deposição do governo de João Goulart. “O PSL é um partido de aluguel, já a UDN tem um apelo histórico e popular. Os Bolsonaros podem usar isso”, disse o historiado Daniel Aarão Reis, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Líderes. Ele lembra que a antiga UDN, embora “muito ideologizada”, tinha um perfil heterogêneo. O mesmo pode acontecer com a nova versão do partido. Enquanto a versão original da UDN tinha líderes como o brigadeiro Eduardo Gomes, o jurista Afonso Arinos e os ex-governadores Carlos Lacerda (Guanabara), Juracy Magalhães (Bahia) e Magalhães Pinto (Minas), a nova legenda tem potencial para atrair lideranças do DEM ao PSDB, passando pelo MBL.

Entre os políticos que são vistos como “sonho de consumo” da UDN em 2019 está o governador de São Paulo, João Doria, que descarta a ideia de deixar o PSDB.



1ª Caravana Detran nos Municípios em 2019 no Sertão do Estado
Autor
Adriano Roberto

1ª Caravana Detran nos Municípios em 2019 no Sertão do Estado

Tendo como objetivo conscientizar os motoristas, com foco nos motociclistas, a Caravana Detran nos Municípios – CDM, desembarcou no Sertão do Estado, mais precisamente nos municípios de Ouricuri, Parnamirim e Trindade, onde reuniu especialistas na área de saúde, mobilidade urbana, condutores de veículos e motos, para discutir, entre outros assuntos, temas ligados a segurança no trânsito.

A ação que é realizada pela Coordenadoria de Educação para o Trânsito, a 1ª de 2019, e levou para Ouricuri, Parnamirim e Trindade, ações educativas com a Turma do Fom Fom, Blitz, Curso de Pilotagem Defensiva, Capacitação para instrutores dos Centros de Formação de Condutores – CFC’s, primeiros socorros, além de palestras para alunos do ensino médio. A ação é uma parceria com a Prefeituras.

O Fórum de Educação para o Trânsito, que teve lugar no auditório da Gerência Regional de Saúde – GERES, contou com a palestra de Euda Costa, analista de trânsito da Escola Pública de Trânsito do DETRAN-PE, que falou sobre segurança no trânsito e os perigos dos acidentes, chamando a atenção dos motociclistas sobre o uso correto dos equipamentos de segurança.

Além disso, técnicos do Comitê Regional de Prevenção a Acidentes de Motos – CRPAM, falaram sobre os índices de acidentes de trânsito na região, e do Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco – CBMPE, informaram sobre os cuidados necessários na prestação de primeiros socorros. As cidades de Ouricuri, Parnamirim e Trindade somam uma frota de 37.652 veículos, desses, 22.811 são motocicletas. 





Geraldo Julio aumentou número de secretarias para acomodar PT, diz vereador
Autor
Adriano Roberto

Geraldo Julio aumentou número de secretarias para acomodar PT, diz vereador

O líder da oposição na Câmara Municipal do Recife, o vereador Renato Antunes, criticou o Projeto de Lei do Executivo nº 01/2019, que foi aprovado nesta terça-feira. De acordo com o parlamentar, a matéria em questão chegou ao poder legislativo de forma truculenta. 

“Infelizmente a marca da gestão do PSB é esta. Eles desembarcam projetos na Câmara, que chegam aqui como um rolo compressor. O objetivo é aprovar de forma imediata. Impedem o debate e aperfeiçoamento da matéria. Inclusive, este o projeto foi apresentado com uma redação confusa e com erro formais, mostrando falta de zelo por parte do Executivo, gerando com isso um constrangimento, pois uma matéria com erros primários foi submetida a plenário. Enviam em caráter de urgência, impondo e interferindo diretamente no poder legislativo da cidade. É truculência”, criticou Renato Antunes.

Gestor governamental de carreira, o vereador Renato Antunes chegou a afirmar que a medida está sendo tratada pela gestão municipal como redução do tamanho da máquina, mas não é o que acontece. 

“O artigo primeiro fala de extinção de 295 cargos, inclusive o prefeito por diversas vezes mencionou isso em entrevistas e na Câmara por ocasião da abertura dos trabalhos legislativos. Mas a matéria extingue 193 cargos e modifica 102. Temos uma clara tentativa de confundir a opinião pública”, disparou Antunes.

Na visão do social-cristão, o projeto do Executivo veio para acomodar os novos partidos da Frente Popular. “O discurso de diminuir cargos comissionados é apresentado como plataforma, mas o que parece é que a real intensão foi aumentar o número de secretaria ( de 15 Para 19), com intensão de acomodar novos aliados, como o Partido dos Trabalhadores (PT), e outras amarrações realizadas nas eleições 2018. Tudo isso em véspera de ano eleitoral”, finalizou Renato Antunes.



TCE manda Alepe extinguir verbas indenizatórias dos deputados
Autor
Adriano Roberto

TCE manda Alepe extinguir verbas indenizatórias dos deputados

Auditoria especial realizada pelo TCE nas verbas indenizatórias da Assembleia Legislativa relativas aos exercícios de 2015 e 2016 foi julgada irregular pelo Tribunal de Contas, no último dia 12 de fevereiro, em processo que teve como relatora a conselheira Teresa Duere. A auditoria foi formalizada após a análise de um processo de denúncia que identificou irregularidades no ressarcimento de despesas de verbas indenizatórias do então deputado Lupércio Nascimento, incluindo o pagamento a três “empresas fantasmas” que também constavam nos pedidos de ressarcimento de outros 22 parlamentares. Em razão disso, o TCE estendeu a análise às verbas de gabinete constatando também irregularidades nessas prestações de contas.

RESTITUIÇÃO - Ao tomar conhecimento dos fatos, o então presidente daquela Casa, deputado Guilherme Uchoa, enviou ofício a Teresa Duere comunicando a suspensão da relação comercial com as sete “empresas”, por tempo indeterminado, e a restituição voluntária, pelos parlamentares, dos valores impugnados pelo TCE referente ao período de fevereiro de 2015 a dezembro de 2016. 

A devolução totalizou R$ 1.481.548,70. No entanto, a conselheira diz em seu voto (processo 1728781-9) que a devolução foi o reconhecimento da prática da irregularidade e que as notas fiscais analisadas no processo deveriam passar pelo crivo do controle interno da Alepe e não pelos gabinetes dos parlamentares. Por isso, julgou irregular o objeto da auditoria mas não imputou débito aos responsáveis. Ela também determinou à Coordenadoria de Controle Externo que envie ofício à Junta Comercial de Pernambuco comunicando as irregularidades encontradas nas mencionadas empresas, e à mesa diretora da Alepe que tome as medidas necessárias para extinguir o pagamento de verbas indenizatórias com base no Ato 673/2009 e que no prazo de 60 dias apresente ao TCE quais são as despesas indispensáveis ao exercício do mandato parlamentar.



Bebianno liga para Moro e pede para esclarecer candidaturas laranjas
Autor
Adriano Roberto

Bebianno liga para Moro e pede para esclarecer candidaturas laranjas

Em meio à crise que se instalou no Palácio do Planalto, o ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral) ligou para Sergio Moro (Justiça) nesta quinta-feira (14) para colocar-se à disposição para prestar esclarecimentos sobre a apuração de candidaturas laranjas do PSL, caso revelado pela Folha de S. Paulo.
 
Na quarta (13), o presidente Jair Bolsonaro determinou que a Polícia Federal -subordinada administrativamente a Moro- começasse a apurar as suspeitas. Bebianno presidiu o PSL, partido do presidente, entre janeiro e outubro de 2018.
 
Desde a revelação do esquema, Bebianno nega envolvimento com o caso e diz que as decisões sobre chapas nos estados foram das direções regionais e que cuidou apenas da eleição presidencial.
 
Candidatas laranjas de Minas e de Pernambuco foram abastecidas com verba pública e declaram gastos em gráfica de fachada, em empresas ligadas ao gabinete do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e em uma gráfica de um filiado do PSL.
 
Segundo ata de reunião do partido, de julho do ano passado, Gustavo Bebianno, então presidente interino da sigla, ficou sendo o responsável pela distribuição de verbas públicas a candidatos nos estados na eleição de 2018.
 
Mesmo antes do pedido do Bolsonaro, investigações já tinham começado tanto em Minas quanto em Pernambuco.
A PF convocou a candidata laranja Maria de Lourdes Paixão, de Pernambuco, para depor nesta quinta (14), mas ela pediu adiamento.
 
Bebianno tem dito a aliados não vai pedir demissão e buscou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para traçar uma estratégia de sobrevivência no governo.
 
Ele passou a noite de quarta e a madrugada e a manhã de quinta nessas conversas.
O ministro cancelou todas as agendas pela manhã e só apareceu no Palácio do Planalto no fim do dia, onde conversou com o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.
 
Bebianno aguarda ser recebido pelo presidente para tirar a temperatura da crise, o que não aconteceu até o fim desta quinta. Com informações da Folhapress.